Veja como foi o primeiro dia

Hino do MEPES

O músico Inarley Carletti emocionou a todos com o seu talento ao cantar o hino do MEPES

AES

Cooperação para o desenvolvimento

AES

Cooperação para o desenvolvimento

FUNACI

Crescer e fazer crescer

FUNCEFEDH

Fundacion de los Centros Familiares Educativos para el Desarrollo

ONEARA

Redes de cooperación emancioadoras en la formación integral y desarrollo sostenible

FARI

Federación de Asociaciones Rurales Italianas

AIMFR

Asociación Internacional de Movimentos Familiares de Formación Rural

UNEFA

Unión de Escuelas Familiares Agrarias

PRORURAL

Associación Civil PRORURAL

ASONUFED

Asociación Nacional de los Núcleos Familiares Educativos para el Desarrollo

UNEFAB

União Nacional das Escolas Famílias Agrícola do Brasil

EPVR

Escola Profissional Val do Rio

PROCEFFA

Plate Forme pour la Promotion des centres Educatifs Familiaux de Formation par Alternance

APEPFRUM

Associação Para Promoção das Escolas Profissionais Familiares Rurais de Moçambique

Em comemoração aos 50 anos, o Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (MEPES) promoveu o Seminário Internacional com o tema “Redes de Cooperações Emancipatórias na Formação Integral e Desenvolvimento Sustentável”, no Centro de Formação e Reflexão em Piúma. O evento contou com a presença do vice-governador, César Colnago, e demais autoridades nacionais e internacionais.

A comemoração dos 50 anos do MEPES teve como objetivo abordar os sete eixos temáticos: I- Famílias e Participação Associativa; II- Pedagogia da Alternância e Educação do Campo; III- Formação Integral; IV- Desenvolvimento Sustentável, Economia Solidária e Agroecológica; V- Práticas de Saúde Integrativa; VI- Financiamento e Políticas Públicas; VII- Memórias e Imagens dos 50 anos Mepes.

“Desejo, inicialmente, cumprimentar a todos pela organização e realização deste importante Seminário Internacional em Comemoração aos 50 anos do Mepes, com o tema: ‘Redes de cooperação e solidariedade, parcerias emancipatórias da contribuição da formação integral e desenvolvimento sustentável’. Quero reafirmar os serviços relevantes prestados à população capixaba pelo Mepes e aproveitar a oportunidade para também cumprimentar pelos 50 anos da fundação da ONG Associação Estado do Espírito Santo (AES) e o Centro de Colaboração Comunitária (CCC), com sede em Padova, na Itália, celebrada tão recentemente.

Cumprimento, em nome do Governo do Estado do Espírito Santo, a presidente, senhora Amelia Siller; o superintendente-geral, Idalgizo José Monequi; e o senhor José Martins, integrante da Comissão Fundadora do Mepes, e a todos que nos visitam de diversas localidades do País e das representações dos continentes das Américas, da Europa e da África.

O Mepes tem em sua missão princípios, valores e ações fundamentais no desenvolvimento da área da agricultura no Estado do Espírito Santo.

Somos um Estado com 78 municípios e 80% de nossa riqueza provêm desta área produtiva. Sua colaboração permanece sempre significativa para o desenvolvimento do campo, em particular para o protagonismo dos agricultores familiares capixabas.

Recuperando um pouco da história, podemos rememorar as iniciativas do padre Humberto Pietrogrande que, ao contar com a colaboração de um fraterno grupo de amigos, companheiros de liceu e da ação católica italiana, formou a AES – Associação Estado do Espírito Santo com base nas premissas do cristianismo e do voluntariado.

O afinco e a determinação eram de tão grande vulto que obtiveram o registro no Ministério das Relações Exteriores do governo italiano de forma imediata, o que possibilitou uma ação de promoção com a instalação de projetos sociais e humanitários no Estado do Espirito Santo. A AES tem sua história vinculada à existência deste importante movimento social – Mepes.

Assim, é que a primeira providência tomada foi oportunizar a ida de sete jovens brasileiros nascidos no Espírito Santo para um intercâmbio internacional em formação pedagógica em escolas família nas cidades de Padova e Treviso, na Itália.

Em seguida, o Brasil e particularmente o Espírito Santo, em Anchieta, recebeu, a convite do padre Humberto, professores acadêmicos que providenciaram um diagnóstico da realidade local e regional e, com base nesse estudo, promoveram um projeto contemporâneo, de longo alcance para com o desenvolvimento sustentável da agricultura familiar no Espírito Santo.

Permanece ainda entre nós os professores Cesar Zamberlani e Mário Juliani, contribuindo com conhecimento sistematizado, suas largas experiências e, principalmente, com a atitude da “escuta” sobre as necessidades, interesses, vontades e desejos do povo do campo.

Além das pessoas e de suas grandes contribuições no campo do conhecimento, da sensibilidade, do estímulo e das ações proativas, vem o Mepes, ao longo da sua história de 50 anos, disponibilizando recursos técnicos, científicos e materiais; elaborando e desenvolvendo projetos e teses suficientes para o desenvolvimento e encontro de pessoas, por meio do desenvolvimento da rede de escolas do campo – que hoje compreendem 18 unidades educativas com a utilização de metodologias apropriadas, com a aplicação da pedagogia da alternância, envolvendo anualmente mais de 2.000 jovens no campo; promovendo a instalação plena do Centro de Formação e Reflexão do Mepes; a construção de unidade hospitalar e o funcionamento das unidades de Educação Infantil em Anchieta.

Estas ações, que compõem o tão importante espectro do Movimento de Educação do Espírito Santo (Mepes), vêm desempenhando fortes e valorosas ações de educação, saúde e assistência no campo e nos ajudando no desenvolvimento do Espírito Santo com a permanência das famílias no campo, gerando trabalho, renda, produzindo alimentos e semeando a felicidade nas pessoas capixabas.

Ouso afirmar a importante e sustentável travessia do Mepes, uma organização social pautada por homens e mulheres de bem que colaboraram para a construção desta bela e vitoriosa história. Mas temos também de reconhecer e dar o devido valor aos homens e, principalmente, às instituições públicas que se dedicaram com afinco a um trabalho de parceria com o Mepes e, nesse sentido, quero aqui resgatar a grande contribuição na construção da Constituição Federal em 1988, quando o jovem deputado estadual Paulo Hartung inseriu no texto constitucional a equiparação das escolas mepianas como públicas.

O resultado desta ação é que nos permite, até os dias atuais, apesar de tantas modificações na legislação, que o Mepes possa continuar depositário de recursos públicos.

Em nosso governo, de 2015 até 2018, temos mantido termo de colaboração técnico-financeiro entre Sedu e Mepes na ordem de R$ 32.442.882,19 para garantir a execução de ações visando a continuidade do atendimento educacional aos alunos do campo, na concepção e metodologia da pedagogia da alternância, nos diversos municípios do Estado.

Sendo que em 2015 o repasse foi na ordem de R$ 8.652.000,00; EM 2016 – R$ 8.800.000,00; EM 2017 – R$ 7.143.336,08; EM 2018 – R$ 7.847.486,11 (o termo de fomento tem a garantia de vigência até dezembro de 2019).

Com a Sedu, fizemos ainda investimentos de mais R$ 450 mil para a qualificação social e profissional de jovens do campo.

Com a Sesa e Esesp, recursos na ordem de R$ 600 mil foram disponibilizados para o Mepes operar a formação de agentes comunitários da saúde (ACS), utilizando os instrumentos técnicos-didáticos da pedagogia da alternância; e na perspectiva de firmar um contrato técnico financeiro Sesa/Esesp – Mepes, na ordem de R$ 10 milhões, para firmação de intercâmbio e cooperação para realização do projeto de tutoria da planificação da atenção à saúde do Estado do Espírito Santo.

Portanto, o governo do Estado do Espírito Santo deverá manter a parceria na área de formação, somente neste ano de 2018, com recursos no valor de R$ 19 milhões. Soma-se a este valor recursos para a assistência à saúde na manutenção do hospital em Anchieta.

Uma articulação vem sendo empreendida com a Vice-Governadoria, Seag, Incaper, para incentivo à comercialização de produtos da agricultura familiar na modalidade operativa de cadeias curtas, visando construir novas formas de interação entre produção e consumo, mediante o resgate da procedência e da identidade dos produtos assentada não apenas em critérios de preço, mas também em valores sociais e significados simbólicos.

É nesse arcabouço político-institucional que se concentra o nosso trabalho com o Mepes, pois reconheço essa organização como um movimento de pessoas, realizado com e para pessoas, promovendo e renovando esperanças, que se traduzem em valores humanos, sociais, comunitários e espirituais; que devem inspirar, reinar e se perpetuar no seio das famílias, em conformidade com o que aqui estamos vivendo e celebrando: história, conhecimento, saberes, trocas, solidariedade, carinho, emoção, alegria, reconhecimento e, acima de tudo, respeito e amorosidade.

Estes são, com certeza, os elementos fundamentais para ressignificação de uma vida para ser vivida com dignidade, seja nas histórias individuais, familiares, nos ambientes coletivos, nas entidades e em nossas instituições.

Parabéns ao Mepes por ser tão persistente, e nos proporcionar tantas aprendizagens e lucidez.

Crédito:
Governo do Estado do Espírito Santo
https://bit.ly/2CY1kzf